enes_redes

Moção sobre a Revolução de Outubro de 1917 // 14º ENES

A 7 de Novembro de 1917 na Rússia nasce uma revolução vitoriosa pelas mãos do proletariado russo, com o Partido Bolchevique na vanguarda, guiado por uma teoria revolucionária, com o notável contributo de Lénine. Pela primeira vez na história o sonho transformou se em projecto político, a construção de uma sociedade nova, sem exploradores nem explorados, defensora da paz e da amizade entre os povos– dando início a uma nova época na história da humanidade, a da passagem do capitalismo ao socialismo. A Revolução de Outubro foi uma exaltante realização revolucionária que, resistindo e superando complexas vicissitudes e dificuldades – boicotes, sabotagens, intervenção de potências imperialistas, guerra civil, bloqueio económico, traição -, e percorrendo um percurso irregular e acidentado, transformou em realidade as aspirações e sonhos dos trabalhadores, dos explorados, dos oprimidos, dos discriminados, abrindo o caminho da construção duma sociedade nunca antes conhecida pela humanidade.

Milhões de pessoas viram a universalidade dos seus direitos reconhecidos e garantidos, o direito ao trabalho, a jornada de 8 horas, as férias pagas, a igualdade de direitos de homens e mulheres no trabalho, e na vida, o direito à habitação e à prática desportiva, direitos e protecção social; a educação de milhões de pessoas torna-se uma prioridade, com o crescimento generalizado de escolas primárias, pré-escolar, escolas tecnicas, universidades e outros estabelecimentos de ensino superior; eliminando o analfabetismo.

A URSS, o povo soviético, o Exército Vermelho, deram um contributo determinante para a vitória sobre o nazifascismo na Segunda Guerra Mundial, numa heróica luta, para garantir os valores da paz, e da amizade entre os povos, que lhe custou mais de vinte milhões de vidas. A URSS deu um grande apoio aos povos que lutaram pela construção de sociedades socialistas, à luta e conquista por parte de milhões de trabalhadores de direitos e liberdades em países capitalistas e à dinâmica e luta do movimento de libertação nacional, ao ruir do colonialismo e à conquista da independência de numerosos povos e nações submetidas ao jugo colonial.

100 anos após a Revolução de Outubro, o sistema capitalista, com a sua natureza exploradora, opressora, agressiva e predadora, com as consequências trágicas que comporta, atravessa o agravamento da sua crise estrutural, tornando-se ainda mais evidente que o capitalismo é responsável pelos crescentes problemas e perigos que a humanidade enfrenta. A realidade do mundo de hoje comprova a importância e alcance dos objectivos da Revolução de Outubro e afirma o socialismo como exigência da actualidade e do futuro. Vivemos hoje perante uma grande ofensiva às grandes conquistas da revolução de Outubro. Nos manuais escolares, nos programas escolares, nas aulas e por toda a comunicação social assistimos a uma grande ofensiva de descredibilização daqueles que foram os grandes feitos da revolução de Outubro. Cabe a nós, comunistas, a cada conversa, apontar os feitos da revolução de Outubro.

Porque quando lutamos pela escola pública, gratuita e de qualidade, pelo direito ao trabalho e ao trabalho com direitos, quando exigimos cultura, desporto, habitação lutamos pelo socialismo.

Construímos a unidade daqueles que precisam de outra forma de organização da sociedade, onde os direitos sejam uma realidade, onde a escola seja feita à nossa medida e o trabalho seja uma forma de concretização individual e colectiva

Saudamos assim a grande revolução de Outubro e os seus 100 anos, que está viva, que devemos celebrar e por mais que tentem não apagará aquilo que ela nos trouxe. A certeza de que com a luta é possível e que está nas nossas mãos os destinos das nossas vidas.