Todos os posts arquivados em “Juventude trabalhadora

DSC_0399

Congresso da CGTP e a Luta da Juventude

Nos dias 26 e 27 de Fevereiro no Complexo Desportivo Cidade de Almada, realizou-se o XIII Congresso da CGTP-IN.

Momento alto da central sindical que reuniu mais de 700 delegados de todo o país e de vários sectores de actividade.

No Congresso, fez-se o balanço do mandato e dos impactos da política de direita na vida dos trabalhadores e as suas consequências, como a emigração forçada de milhares de trabalhadores, o desemprego, o aumento dos vínculos precários e o alastramento dos baixos salários nos vários sectores de actividade.

Desafios impostos aos sindicatos de classe da CGTP-IN, desafios que contaram sempre com a resistência e dos trabalhadores, com aqueles que não baixaram os braços e intensificaram a luta por melhores condições de trabalho e de vida.

Luta que durante o mandato contou com 3 greves gerais e milhares de acções à porta dos locais de trabalho, com greves sectorias e manifestações convergentes.

Luta esta que durante o mandato de 4 anos foi reforçada com a sindicalização de cerca de 16 mil jovens, dando esperança que o caminho que se segue é de muita luta e confiança que a vitória é nossa, dos trabalhadores!

Falta de condições nos curso profissionais do IEFP

No Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) do Seixal os milhares de formandos que o frequentam, só no ano passado passaram por lá cerca de 13 mil, são expostos a condições que não garantem a qualidade na formação a que têm direito.
A falta de condições vai desde salas não ventiladas, a formandos a terem formação em monoblocos, falta de material para as aulas práticas ou a pouca limpeza das áreas exteriores.
Os cortes têm consequências visíveis quando o IEFP não tem dinheiro para pagar aos funcionários, nem aos formandos as suas bolsas de estudo, sendo que a diminuição de trabalhadores leva a filas imensas no bar. Alem disto os formandos são sujeitos a uma falta de segurança tremenda, havendo apenas dois funcionários responsáveis pela segurança que têm de se responsabilizar pela portaria e a ronda. Ser formando no IEFP é estar sujeito a condições indignas sendo que muitos dependem unicamente das bolsas de estudo para alimentar uma família.
Para resolver estes problemas concretos, a JCP está presente no IEFP com a sua intervenção em solidariedade com os estudantes e a sua luta por melhores condições. Há uma presença da organização com distribuições regulares e com a criação e divulgação de um boletim. Só com a luta podemos resolver os problemas dos formandos do IEFP Seixal!

Mais direitos, mais futuro. Não à precariedade

Baixos salários, precariedade, desemprego, emigração forçada, desregulação dos horários, retrocesso nos direitos são realidades que marcam a vida dos jovens trabalhadores e que se acentuaram nos últimos anos.

Perante esta realidade, o Partido Comunista Português decidiu a lançar a campanha “Mais direitos, mais futuro! Não à precariedade!”, que visa denunciar e esclarecer que esta situação que trabalhadores hoje sentem na pele não é inevitável e há uma alternativa política que combata de forma séria a precariedade. É necessário e possível o trabalho com direitos, porque a cada posto de trabalho permanente, deve corresponder um vínculo efectivo de trabalho.

Precariedade e desemprego, ao contrário do que nos tentam fazer crer, nada têm que ver com necessidades ocasionais ou excepcionais de emprego! O que pretendem é o aumento da incerteza, da instabilidade e exploração, pressionar e tratar os trabalhadores como peças descartáveis, prontas a serem substituídas.

O recurso ao trabalho temporário, aos estágios ou à prestação de serviços serve para a desresponsabilização das empresas para o despedimento fácil e sem compromissos por parte do patronato.

A precariedade tem de ser combatida, é necessário caminharmos  para fim do trabalho sem direitos. Ao governo tem de ser exigido a implementação de políticas neste sentido, nomeadamente com a revogação de medidas lesivas dos trabalhadores no Código do Trabalho e um reforço de medidas inspectivas, com o reforço de meios da Autoridade para as Condições de Trabalho, entre outras.