.

Featured

Comunicado das Organizações Comunistas da Juventude de todo o mundo sobre a pandemia do
COVID-19Z

(…) Lutamos contra o COVID-19  e, ao mesmo tempo, contra a injustiça, mas também contra aqueles que utilizam o vírus para que a injustiça aumente. (…)”

Jovens de todo o mundo,
Enquanto milhares de pessoas em todo o mundo estão a apanhar a doença e, infelizmente, também a
morrer com o COVID-19, a realidade para os povos, trabalhadores e jovens é implacável:
– O sistema de saúde pública, mesmo em alguns países capitalistas poderosos, está a nu, cheio de
lacunas, com políticas que actuam a favor da comercialização da saúde e dos lucros capitalistas.
As vidas de centenas de milhares de pessoas estão em risco. As medidas urgentes e necessárias
que não foram tomadas têm de ser tomadas agora.
– Milhões de trabalhadores já perderam os seus empregos ou vão perdê-los no período que se
segue. Os seus salários estão a ser cortados e as suas horas de trabalho estão a ser flexibilizadas.
Não por causa do COVID-19, mas porque os capitalistas colocam novamente o encargo nos
ombros dos trabalhadores.
– Até as tentativas científicas de encontrar uma vacina para o COVID-19 estão sujeitas a conflitos
entre os imperialistas, sempre insaciáveis. A anarquia na produção capitalista não satisfaz as
necessidades humanas básicas.

Jovens de todo o mundo,
– Estendemos os nossos sinceros agradecimentos aos médicos, enfermeiros, hospitais e unidades
de saúde que estão a travar esta batalha enquanto enfrentam grandes dificuldades.
– Expressamos a nossa solidariedade às pessoas afectadas pela pandemia do COVID-19 e
desejamos-lhes uma rápida recuperação da doença.
– Saudamos os países que desenvolvem acções de solidariedade com os países mais afectados, tais
como o envio de materiais de protecção e profissionais de saúde de países como a China, Cuba e
Rússia, acções que contrastam fortemente com a ausência da União Europeia.

Jovens de todo o mundo,
Nestes tempos difíceis, as Organizações Comunistas da Juventude estão aqui!
Lutamos contra o COVID-19 e, ao mesmo tempo, contra a injustiça, mas também contra aqueles que
utilizam o vírus para que a injustiça aumente.

Lutamos contra um sistema global, o capitalismo, que forçou os trabalhadores e a juventude a arcar com
o custo da crise económica capitalista e que agora nos pede que paguemos novamente. Está novamente
provado que o socialismo é necessário e oportuno pois pode garantir o atendimento primário e a
prevenção, hospitais, equipas médicas e de enfermagem, medicamentos, laboratórios e testes,
satisfazendo então as necessidades dos povos.

Lutamos contra a política antipopular, que compromete as grandes possibilidades científicas e
tecnológicas que existem hoje e que podem ser usadas a favor da saúde, bem estar e paz para os povos.
Os jovens usam máscaras para proteger e se protegerem do vírus, mas não baixamos a voz face às
nossas exigências! Exigimos:

– Que o Sistema de Saúde Pública seja reforçado com financiamento estatal em todos os países,
para que os esforços das equipas médicas e de enfermagem se fortaleçam agora.
– Que os meios de protecção necessários sejam fornecidos gratuitamente a todos (tais como
máscaras, luvas e produtos de higiene para as mãos à base de álcool).
– Que os direitos laborais dos trabalhadores sejam protegidos. Não aos despedimentos e às
reduções salariais. Não à redução dos direitos democráticos sob o pretexto do COVID-19.
– O fim de todas as sanções e medidas de exclusão económica, que nesta situação são ainda mais
injustas e criminosas, e tornam ainda mais difícil a vida dos povos nos países contra os quais se
voltam. Que se tomem todas as medidas necessárias para proteger a saúde e a vida dos povos.
– Dizemos não às intervenções imperialistas e aos exercícios militares como os da NATO, e
exigimos que os recursos públicos se conduzam para apoiar as necessidades dos povos, como o
financiamento para a saúde pública e para os sistemas de segurança social.

Dizemo-lo claramente: Podemos vencer! Ninguém sozinho – agora é o tempo da solidariedade – unidos
venceremos!

  1. Federação da Juventude Comunista, Argentina

  2. Juventude Comunista da Áustria 

  3. União da Juventude do Bangladesh 

  4. União dos Estudantes do Bangladesh 

  5. Jovens Comunistas da Bélgica 

  6. Juventude Comunista da Bolívia

  7. União da Juventude Comunista, Brasil

  8. Juventude Comunista Avançando, Brasil

  9. Liga da Juventude Comunista da Grã-Bretanha 

  10. Liga da Juventude Comunista do Canadá

  11. Jovens Socialistas do Partido dos Trabalhadores Socialistas da Croácia 

  12. Organização da Juventude Democrática Unida, Chipre 

  13. União da Juventude Comunista, República Checa

  14. Jovens Comunistas da Dinamarca

  15. Juventude Comunista do Equador

  16. Juventude Comunista de El Salvador

  17. Juventude Comunista do Partido Comunista dos Trabalhadores da Finlândia  

  18. União da Juventude Comunista de França 

  19. Juventude dos Trabalhadores Socialistas Alemães 

  20. Juventude Comunista da Grécia

  21. Juventude Comunista do Guatemala

  22. Juventude Comunista das Honduras

  23. Federação de Toda a Juventude da Índia

  24. Juventude Tudeh do Irão

  25. Juventude do Partido dos Trabalhadores, Irlanda 

  26. Movimento da Juventude Connolly, Irlanda 

  27. Juventude Comunista de Israel

  28. Frente da Juventude Comunista, Itália

  29. União da Juventude Democrática Jordana 

  30. Federação de Jovens Comunistas, México

31. Federação Nacional da Juventude do Nepal

32. Movimento da Juventude Comunista da Holanda

33. Juventude do Partido Comunista da Macedónia, Macedónia do Norte

34. Jovens Comunistas da Noruega 

35. Federação Democrática dos Estudantes, Paquistão 

36. Federação Democrática da Juventude, Paquistão

37. Juventude Comunista Palestiniana 

38. Juventude do Partido do Povo Palestiniano 

39. Juventude Comunista do Paraguai

40. Juventude Comunista do Peru

41. Juventude do Partido Comunista da Polónia 

42. Juventude Comunista Portuguesa

43. União da Juventude Socialista, Roménia 

44. União da Juventude Comunista Leninista da Federação Russa 

45. Liga Revolucionária da Juventude Comunista (Bolcheviques), Rússia 

46. Liga da Juventude Comunista da Jugoslávia, Sérvia 

47. Liga da Juventude Comunista de África do Sul 

48. Liga da Juventude Anti-imperialista e Anti-EU, Coreia do Sul 

49. União da Juventude Comunista de Espanha 

50. Colectivos de Jovens Comunistas, Espanha 

51. União dos Estudantes Socialistas, Sri Lanka

52. União da Juventude Socialista, Sri Lanka

53. Juventude Comunista da Suécia

54. Juventude Comunista da Suíça – Jeunes POP

55. União da Juventude Comunista da Síria – Juventude Khaled Bagdash 

56. Juventude Comunista da Turquia 

57. Liga de Jovens Comunistas dos EUA 

58. Juventude Comunista da Venezuela

Solidariedade com o Povo e a Juventude da Venezuela

A Juventude Comunista Portuguesa condena a escalada de ingerência promovida pelos EUA e os seus aliados contra a juventude e povo Venezuelanos.

Os acontecimentos dos últimos dias, e designadamente o não reconhecimento do presidente da Venezuela democraticamente eleito, Nicolas Maduro, são mais um grave passo na operação de desestabilização e bloqueio económico, financeiro, político e diplomático, expresso na aplicação de sanções, na promoção da violência no país, e mesmo na ameaça de intervenção militar, em afronta com a carta das Nações Unidas e visando atingir, antes de mais, a economia e as condições de vida do povo.

O imperialismo norte americano não perdoa a capacidade de resistência de um processo soberano, democrático e de conteúdo progressista que colocou as imensas riquezas da Venezuela ao serviço do desenvolvimento económico, social e cultural do povo e da juventude venezuelanos.

Quem defende a paz e o direito de cada povo a definir, livre de ingerências e interferências externas, o seu futuro, só pode ser solidário com a revolução bolivariana e com o povo venezuelano, no caminho que livremente escolheu de luta em defesa da sua soberania, do seu direito ao desenvolvimento e ao progresso social.

Hoje, mais do que nunca, é imperativa a solidariedade para com a defesa da soberania e independência nacionais da Venezuela e para com a resistência do povo venezuelano e a sua determinação em prosseguir o caminho das conquistas e avanços aberto pela revolução bolivariana.

É preciso que em cada país se multipliquem acções de solidariedade com o povo venezuelano e se denunciem as “velhíssimas” formas do imperialismo atacar países soberanos e os seus povos.

A JCP apela à solidariedade dos jovens Portugueses e do mundo com a juventude e o povo venezuelanos pelo fim do bloqueio e da chantagem dirigida pelo imperialismo norte americano. E afirma o direito dos povos a decidirem sobre o seu futuro, livres de ingerências e pressões externas.

Moção de solidariedade com o povo e a juventude sírios

Tendo em conta os mais recentes desenvolvimentos na República Árabe Síria, com os ataques perpetrados pelo eixo formado por EUA, França e Reino Unido, com o suporte da Nato, da UE e de Israel, contra aquele Estado independente;

Tendo presente que o pretexto para este acto de agressão e guerra assenta numa alegada e não comprovada utilização de armas químicas, baseada em supostas provas, tão credíveis quanto as provas que anteriormente sustentaram a agressão à Jugoslávia – que levou à sua desagregação -, ao Iraque – com a destruição quase completa do seu território -, à Líbia – abrindo caminho às organizações terroristas financiadas pelo imperialismo norte-americano e seus aliados, que se comprovaram monumentais operações de falsificação e mentira;

Considerando que estes ataques correspondem apenas às ambições de domínio hegemónico mundial por parte do Imperialismo e particularmente de domínio de toda a região do Médio Oriente;

Constatando que estes acontecimentos não estão desligados da ofensiva que, um pouco por todo o planeta, o imperialismo norte americano e os seus aliados desenvolvem, agredindo todos aqueles que se lhe oponham, da América Latina a África, da Europa ao Médio Oriente e à Ásia;

Lembrando que este acto agressivo contra a Síria se integra na linha de confrontação mais global dirigida pelo imperialismo norte-americano, que a não ser travada pode originar um conflito de imprevisíveis proporções, e trágicas consequências;

Sublinhando que o eixo de países que agora agride a Síria desrespeitou as Nações Unidas, violando o direito internacional, designadamente procurando impedir a verificação, do que efectivamente se passou no dia 7 de Abril, em Douma;

Lembrando a legítima resistência da Síria, em defesa do seu povo, independência e da integridade territorial perante a operação de desestabilização e agressão levada a cabo por grupos terroristas armados e financiados pelos EUA e pelos seus aliados, que já custou milhares de mortos, imenso sofrimento, grande destruição e milhões de deslocados e refugiados;

A Direcção Nacional da JCP reunida a 14 de Abril de 2018,

–        condena firmemente os ataques perpetrados pelo eixo formado por EUA, França e Reino Unido contra República Árabe Síria;

–        apela aos jovens portugueses e aos jovens de todo o mundo para que manifestem a sua indignação e protesto perante esta agressão ilegal e ilegítima.

–        manifesta a sua solidariedade com a juventude  e o povo Sírios, que desde há sete anos resistem à brutal agressão do imperialismo norte-americano e seus aliados, em defesa dos seus direitos, da sua soberania e independência.

Moção aprovada por unanimidade pela Direcção Nacional da Juventude Comunista Portuguesa.
14 de Abril de 2018